Mauro Beting: “Julio Cesar e o Flamengo”

Mauro Beting: “Julio Cesar e o Flamengo”

21 anos depois de estrear aos 17 na meta do clube de berço e onde chegou aos 12, Julio Cesar pendurou as luvas onde perdurou de 2001 a 2004 como titular absoluto. Quando foi para a Itália para ser multicampeão pela Inter onde conquistou a Europa e o mundo como melhor goleiro de 2010. Quando ajudou a levar o Brasil de Dunga com enormes defesas desde as Eliminatórias até as quartas-de-final. Quando falhou uma só vez e a Seleção se perdeu na África do Sul.

A Julio a sorte foi lançada mais uma vez em 2014. Defendeu os pênaltis contra o Chile no mesmo Mineirão onde não falharia na semifinal. Quando o Brasil… A Alemanha… E muitos brasileiros ainda cobram o goleiro de duas Copas. O campeão de tantos títulos no rubro-negro carioca e no rival dos rossoneri de Milão. O goleiro que não fez milagres nos Mundiais. Mas nos defendeu com a mesma paixão e categoria de sempre.

O Julio que veio em 1997, viu como poucos desde então, e venceu como raros até se despedir no sábado com a camisa que fez de tudo para voltar a fardar só para se despedir em 2018.

A mesma que ele vestiu pela primeira em 17 de maio de 1997 “apenas” num Fla-Flu. Levou um gol cara a cara, outro defensável para um grande goleiro como ele. Mas antes espalmou para escanteio um pênalti que evitou derrota maior para o rival que venceu um Flamengo de reservas. Quando JC ainda não era um dos maiores goleiros do Flamengo. Para não dizer o mais flamenguista dos goleiros rubro-negros.

Foram 14 anos longe da Gávea jogando até no Canadá. Mas parecendo sempre defender o Flamengo até quando não dá. Saindo driblando da própria área de modo até irresponsável quando o time não funcionava dentro e fora de campo. Fazendo defesas impensáveis e irrepreensíveis como se fosse o que sempre foi. E o que voltou para ser.

Um torcedor. Um camisa 12. Como qualquer um. Um dos melhores números um do futebol brasileiro.

Um torcedor que defende não só o que é dele. Mas o de todos. Por todos.

Feliz quem teve um torcedor para o defender. Mais feliz ainda quem fez do sonho realidade.

A Julio o que é de César.

Reprodução: Blog do Mauro Beting | Uol Esporte