Segundo o ​globoesporte.com, o Flamengo até foi mais rápido sem Diego em campo, e diminuiu o número de cruzamentos na área adversária - foram somente 11 contra o América-MG, enquanto diante do Santa Fé, por exemplo, o Rubro-Negro tentou a jogada aérea 25 vezes. Apesar disso, a ausência do camisa 10 não trouxe nenhuma evolução efetiva no jogo rubro-negro.

Sem Diego, por outro lado, o Flamengo cria menos jogadas perigosas no ataque. Contra o Santa Fé, a equipe finalizou 15 vezes e teve 10 chances reais de gol, enquanto contra o América foram 14 chutes e apenas quatro chances reais.

Ainda sem o retorno confirmado ao time titular, Diego viaja com a delegação rubro-negra para a Colômbia para continuar o tratamento na coxa direita. O Flamengo enfrenta o Santa Fé às 21h45 da próxima quarta-feira.

​​