Na volta de Julio Cesar, Flamengo acorda no fim e bate o Boavista com gols de falta

Na volta de Julio Cesar, Flamengo acorda no fim e bate o Boavista com gols de falta

Volta Redonda Em uma reestreia com pouquíssimo trabalho, Julio Cesar viu o Flamengo derrotar o Boavista por 3 a 0, mas sofrer para convencer que vai conseguir apresentar um bom futebol. Em mais uma atuação que demorou a engrenar e foi seguida de vitória, o time de Carpegiani se apresentou completo, apenas sem Réver, mas a força máxima redundou em futebol ainda em busca dos melhores dias.

—É um momento especial para mim. O Flamengo quando joga tem que ganhar sempre — vibrou Júlio Cesar.

Os gols de Rodinei, Diego e Paquetá no segundo tempo aliviaram a tensão da etapa inicial a uma semana da volta à Libertadores. Na quarta-feira, o time enfrenta o Emelec. Sábado, porém, a equipe encara o Macaé em mais uma tentativa de boa exibição durante os noventa minutos.

A reconstrução promovida pelo treinador em um esquema com três meias segue sem encontrar o equilíbrio necessário. A mudança da vez foi inverter Paquetá e Everton Ribeiro de lado, e atacar pelas duas pontas. Na prática, com um adversário retrancado, o Flamengo se manteve sem infiltração. E a solução foi sempre o jogo aéreo e a bola forçada em Dourado. Apenas Paquetá conseguia romper as linhas e criar algum perigo. No entanto, a única e perigosa finalização do primeiro tempo foi de Everton, em passe de Renê.

No segundo tempo, o Flamengo acordou. Everton Ribeiro entrou no jogo, enquanto Diego aparecia nas bolas paradas. Dourado ainda perdeu um gol incrível. O primeiro saiu em seguida. Em escanteio, a bola sobrou para Rodinei, que arriscou de longe. O goleiro Rafael aceitou. De falta, Diego fez o segundo, e Paquetá, da mesma forma, ampliou no fim. Um placar exagerado.