Com contrato até dezembro de 2018, ele chega para ocupar o cargo que não era de um estrangeiro há 36 anos. E os desafios são muitos. O time, como se sabe, é estrelado. Mas é justamente no setor em que há nomes de peso em abundância que reside um dos principais problemas. Diego, Everton Ribeiro e companhia não conseguiram, ainda, se achar para criar oportunidades de gol em abundância. E, nas raras vezes em que isso acontece, as bolas acabam desperdiçadas.

E na defesa? Bem, Rafael Vaz caiu em desgraça com as arquibancadas, só que a dupla titular, formada pelos experientes Réver e Rhodolfo, não vem dando conta do recado. As falhas até mesmo individuais se repetem, com o time tendo levado 17 gols nos últimos 11 jogos. Outro ponto a atacar é a proteção à zaga. Márcio Araújo segue incontestável? Haverá algum teste na posição?

Segundo Rueda, as suas primeiras impressões são de um grupo com vontade de trabalhar e que não gosta de perder. “Vamos jogar com o DNA do Flamengo. Uma oportunidade como essa não é todo dia que aparece. Mas temos metas a cumprir de imediato”, disse o comandante. Então, é partir para o trabalho. Que não é pouco.

​​