Noite de Guerrero e Márcio Araújo

Noite de Guerrero e Márcio Araújo

Salve, Salve, Nação Mais Linda do Mundo!

Maracanã lotadaço! A Magnética esgotou a carga de ingressos posta à venda de forma antecipada. Clima perfeito para o Mengão detonar mais um adversário dentro de casa. E o que aconteceu? O óbvio: o Flmanego garantiu os 3 pontos, a liderança do grupo e só não garantiu a classificação por conta da derrota do Atlético PR pelo San Lorenzo, em curitiba, pelo placar de 3 a 0 (estão vendo o que eu disse há uma semana? Demos mole, muito mole!). Agora falta um jogo apenas para o encerramento da fase de grupos da Libertadores. E podemos nos classificar com uma derrota, inclusive. Para isso, basta o Universidade Católica ganhar do Atlético PR, em Santiago do Chile, no último compromisso entre os dois.

Ontem valeu! Jogamos bem. Claro que devemos tirar algumas lições para não cometermos os mesmos erros, principalmente após as vitórias, que mascaram as falhas do time devido à euforia do resultado positivo. Mas devemos ressaltar que o trabalho do Zé Ricardo deu uma guinada nesta última semana. Principalmente devido aos resultados obtidos. No domingo, ele conseguiu uma boa vitória diante dos flores, onde mudou o jeito do Flamengo jogar e surpreendeu o técnico adversário que não conseguiu mudar o jogo. E ontem, após um primeiro tempo bom, mas com o time um pouco exposto, nosso treinador identificou os pontos fortes do time adversário e neutralizou-os com as substituições após o intervalo da partida.

O jogo começou a mil por hora por parte do Flamengo. Empurrados por mais de 60.000 vozes, os jogadores entraram com tudo o que pedimos anteriormente: marcação alta, compactação defensiva e ofensiva. Quase tudo perfeito, menos nossa pontaria e o último passe. Devido à tensão envolvida no jogo, nossos atletas estavam ansiosos por abrir o marcador e pecavam excessivamente nos passes para as conclusões. Mas Guerrero mandava na partida e ajeitava todas as tijoladas que mandavam em sua direção, fazendo o jogo do Flamengo fluir. Ontem ele fez de tudo, definiu jogadas, arriscou de fora da área, chamou o jogo e a responsabilidade de condução do time e a liderança para si. Final do primeiro tempo e o placar continuava fechado.

Então veio o segundo tempo. E Zé Ricardo, contrariando seu retrospecto, mexeu no time no intervalo. Tirou Mancuello (que errou tudo o que tentou no jogo) e colocou Rodinei, reeditando a ParaNei! E a coisa começou dando muito certo, pois ele bloqueou as ações dos chilenos por aquele lado e passou a agredir muito mais. A justiça, então, foi feita. Após uma rebatida de falta na entrada da área, Rodinei pegou bem de esquerda e abriu o marcador. Seguimos bem até que falhamos coletiva e individualmente. Após entregarmos uma bola dominada ao adversário na intermediária, veio um cruzamento da lateral do campo e Santiago Silva, uma vez mais, marcou contra nós. Falhou a dupla de zaga, principalmente o Vaz que deixou El Tank se adiantar para o cabeceio. Depois disso, Zé trocou outra vez, tirando Gabriel e reeditando a TraucoNê. O Flamengo seguiu pressionando e, em duas jogadas indivivuais, fechamos o placar. Primeiro Guerrero arriscou um chute cruzado de fora da área e conseguiu um bonito gol. Depois, Trauco foi premiado pela insistência com um “gol de Libertadores” onde não desistiu da jogada e marcou um gol com a cara do Flamengo. Final: Flamengo 3 x 1 Universidade Católica.

O que tiramos de bom do jogo? Primeiramente Guerrero e Márcio Araújo. O primeiro por tudo o que foi elencado acima no texto e o segundo pela doação em campo. Dizem que ontem o Whatsapp só não caiui porque o Márcio Araújo estaria fazendo sua cobertura. Ele foi perfeito no campo ontem. Marcou, desarmou, passou, arriscou. Está sendo fundamental no estágio atual do time do Flamengo. Outro que poderíamos destacar na partida foi Arão. Como ele se doou ontem. Foi um jogo com espírito de Libertadores. Lutou muito, marcou, recompôs, foi literalmente um calo nos meias chilenos. Como correu o rapaz! Além das atuações individuais, podemos afirmar que o Flamengo é um time quase pronto. A equipe sabe o que fazer quando tem a posse de bola e também quando o adversário a conduz. E olhem que estamos jogando sem o nosso maestro, além de ainda termos dois jogadores estupendos voltando de lesões: Ederson e Conca (que ainda nem estreou).

Quanto às falhas, deve ser ressaltado que Trauco ainda está pecando nos momentos defensivos, o time não foi tão compactado assim, deixando espaços em demasia para contra-ataques e alguns jogadores têm falhado seguidamente. Nada que não possa ser ajustado, mas que tem nos causado dores de cabeça desnecessárias. Esses ajustes finos devem ser percebidos para que possamos continuar a crescer como equipe tanto técnica como taticamente. Além disso, vou mandar um recado para nosso treinador: “Zé Ricardo, acorda meu filho! Gabriel de titular não dá mais! Ninguém aguenta mais! Além dele, poderíamos mandar o Vaz, o Muralha e o Mancuello passar uma temporada no banco de reservas para que reflitam sobre suas últimas atuações. O elenco é bom. Deve ser testado e, precipuamente, deve haver rodízio! É altamente salutar! Para o Flamengo, para o treinador e, principalmente, para a imensa Nação! Vai pra cima deles Mengo!

O Flamengo Simplesmente é!
Saudações Rubro-Negras a todos!!!

Fabio Monken

Gostou? Ótimo! Não gostou? Ótimo também!
Ninguém é o dono da verdade! Isso é fato!
Venha debater conosco suas idéias, mas faça-o educadamente, pois a falta de respeito e de educação são os combustíveis dos fracassados e de parca argumentação!