| Futebol

O sonho de um título inédito para o Flamengo

flameng - O sonho de um título inédito para o Flamengo

A Copa Sul-Americana, hoje, em vez de um peso, é objeto de desejo do Flamengo. A diretoria, com os pés fincados no chão como raízes, não faz promessas. A semente da esperança, porém, foi plantada há anos no coração da torcida. A gestão Eduardo Bandeira de Mello já apontava, quando assumiu há três anos, que, em 2016, começariam a nascer os frutos da política de responsabilidade. E a expectativa criada pela boa campanha no Brasileiro rega o terreno.

A partir de quarta-feira, contra o Figueirense, às 21h45, no Orlando Scarpelli, o Flamengo começa a tentar provar que chegou a hora da colheita. O diretor de futebol Rodrigo Caetano vê no elenco montado solo fértil para florescer o título inédito.

“Título nunca se promete, mas o compromisso é de disputar buscando o título”, afirmou Caetano, que emendou: “Montamos o elenco visando buscar as primeiras colocações em todas as competições e prevendo as dificuldades que as viagens nos causam nesse ano atípico. A Sul-Americana é uma delas.”

No início, a competição era maçã podre no calendário para os brasileiros. Ao Flamengo, em todas as vezes teve sabor amargo. O Rubro-Negro não passou da primeira fase nas três primeiras vezes em que disputou a Sul-Americana.

Em quatro participações, o time disputou dez jogos. Foram duas vitórias, quatro empates, quatro derrotas, seis gols marcados e 14 sofridos. Em 2003, estava no mesmo grupo de Internacional e Santos. E perdeu seus dois jogos. No ano seguinte, em outro modelo, o Rubro-Negro disputou mata-mata com o Santos, na rodada preliminar. Após dois empates, caiu diante do Peixe nos pênaltis.

Passaram-se cinco anos até o Flamengo voltar a competir no torneio. Em 2009, ano do hexa, acabou eliminado pelo Fluminense, novamente depois de duas igualdade, mas, dessa vez, no critério de desempate — gol fora.

As primeiras vitórias só brotaram em 2011: 1 a 0 em casa e fora, diante do Atlético-PR. Nas oitavas de final, porém, a Universidad de Chile destruiu a muda pela raiz. Já na primeira partida, plantou 4 a 0, no Engenhão. Na volta, outra derrota do Fla, por 1 a 0.

“A união faz a força, e o grupo está mais unido. No individual, cada um está bem também, e o objetivo é ganhar a Sul-Americana”, disse o lateral-esquerdo Jorge.

Fonte: O Dia

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.