Organizadas do Flamengo têm direito a 5% de ingressos em plano corporativo e controle é feito pela diretoria

Organizadas do Flamengo têm direito a 5% de ingressos em plano corporativo e controle é feito pela diretoria

A política implementada no Flamengo para a participação de torcidas organizadas na compra de ingressos através de um plano corporativo de sócio-torcedor sofreu um golpe com a prisão do funcionário Cláudio Tavares. Com 40 anos de clube, ele é responsável pela entrega de bilhetes aos membros das facções, mas, segundo o GLOBO apurou, recebe ordens da diretoria e respeita o acordo entre clube e torcida sobre cota de ingressos.

O organograma para a liberação é extenso. Fred Luz, diretor-geral do Flamengo, é o responsável por negociar com a torcida quantos ingressos serão comprados dependendo da praça e da demanda dos jogos, após consulta à diretoria. Por contrato, aprovado pelo Conselho Diretor, e capitaneado pelos vice-presidentes, a quantidade é de no máximo 5% do setor do estádio. No Maracanã, o número chega a 800 ingressos, na Ilha do Urubu quase metade.

Ainda segundo apuração, é comum as torcidas requisitarem mais para comprar e o clube distribuir a partir dos pedidos. A relação do clube jogo a jogo é feita através dos líderes de torcida e intermediada muitas vezes por um ex-presidente da Jovem do Flamengo, conhecido como Bodão, que tem acesso direto aos dirigentes rubro-negros. O plano corporativo também é beneficiado em jogos como visitantes.

Essa relação com a torcida até tornou-se mais empresarial a partir dos novos planos de sócio-torcedor, com CNPJ e tudo. Cada organizada tem um plano corporativo designado, e a Raça Rubro-Negra é hoje a que tem mais ingressos disponíveis para compra (cerca de 500). Mesmo com um integrante preso, Alesson Souza, liberado ontem, a organizada estará na arquibancada no jogo desta quarta-feira contra o Independiente e procedeu da mesma forma em relação ao plano corporativo. As outras três são Urubuzada, Fla Manguaça e Falange. A Torcida Jovem, banida dos estádios, não é beneficiada.

Depois do acordo de quantos ingressos são liberados para compra, o procedimento passa ao departamento de marketing. Bruno Dias, que coordena os planos corporativos, se reporta ao diretor Bruno Spindel, que define as diretrizes junto ao vice da pasta, Daniel Orlean. Dias recebe das organizadas as relações de cartões para que sejam validados mediante a compra. Caso estejam em dia, o processo é repassado a Imply, que faz a recarga dos cartões. A empresa teve três funcionários presos.

Segundo fontes, porém, alguns cartões se perdem e o crédito é feito na forma de alguns ingressos impressos. Com tudo liberado pela diretoria, a retirada, da forma que for, é feita no estádio, com o funcionário Claudio Tavares.Recentemente, o Grupamento Especial de Policialmento em Estádios solicitou que o Flamengo priorizasse a impressão de ingressos para facilitar a fiscalização. A dificuldade é no controle dos ingressos e cartões a partir do momento em que o clube não participa do processo. O Flamengo aguarda as investigações para uma posição oficial, mas por enquanto apenas nega a doação de ingressos às organizadas.Confira a nota do clube:

"O Flamengo não tem qualquer tipo de participação em esquemas de repasse de ingressos para cambistas ou para qualquer pessoa que queira se beneficiar, ilicitamente, da venda de ingressos. Pelo contrário: em todos os momentos em que o clube tomou ciência de práticas contra a lei no que diz respeito ao assunto notificou a polícia e colaborou com investigações para sempre defender os interesses dos rubro-negros. Nossos esforços são sempre aplicados para que toda colaboração dos torcedores com venda de ingressos, programa de sócio-torcedor ou qualquer tipo de interação com o clube vá para os cofres do mesmo e não para terceiros. Esse dinheiro é reinvestido em reforços esportivos, melhores serviços para sócios, sócio-torcedores e torcedores em geral, além de infraestrutura. O Flamengo valoriza muito a colaboração dos órgãos públicos no combate a qualquer tipo de fraude nessa ou qualquer outra área"