No principal torneio do continente, o resultado mais amargo foi o do Verdão. Os comandados de Cuca se comportaram muito bem durante o primeiro tempo, controlando o jogo com alguma tranquilidade. Definitivamente, foram 45 minutos que encheram o torcedor palmeirense de confiança.

Na etapa final, contudo, o alviverde diminuiu o ritmo e cedeu campo ao Barcelona. Ainda que errasse muito no acabamento das jogadas, o time de Guayaquil começou a ter chances e levou perigo em algumas oportunidades. O golpe final acabou vindo com requintes de crueldade, aos 46 minutos do segundo tempo, em um chute de Álvez. A bola desviou em Bruno Henrique e ainda passou pelo meio das pernas de Thiago Santos antes de entrar.

O Atlético-MG volta ao Brasil com o mesmo resultado do Verdão, mas pode quase comemorar a derrota por apenas um gol. Coletivamente mal e com algumas individualidades muito, mas muito apagadas, o Galo recebeu o Jorge Wilstermann em seu campo durante boa parte dos 90 minutos. No fim das contas, o gol marcado por Álvarez acabou saindo barato para os mineiros.

No Chile, o mistão do Flamengo na Sul-Americana colocou o goleiro do Palestino para trabalhar. Depois de um primeiro tempo morno, em que o rubro-negro abusou dos cruzamentos, as coisas começaram a acontecer logo no primeiro minuto da etapa final. Réver abriu o placar e deu início a uma chuva de gol - em cinco minutos, Romo e Vidal já haviam virado o jogo para os chilenos. 

A vantagem do Palestino não duraria muito. Em outra dupla de gols relâmpagos, Berrío e Damião colocaram o Fla de novo na frente. A partir daí, o jogo ficou totalmente franco. O time de Zé Ricardo aproveitou e, já no finalzinho, marcou mais duas vezes com Rafael Vaz e Éverton Ribeiro. 

​​