| Futebol

Paulinho atribui empate a dia infeliz do ataque e fala em "aguentar a pressão"

Atacante diz que Fla jogou bem e elogia goleiro do Figueirense. Léo Moura vê lado positivo: "Se a nossa equipe for competitiva como foi hoje, as coisas vão melhorar"

 

Após cinco jogos sem vencer - quatro sob o comando de Ney Franco - e a volta do Flamengo à zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, Paulinho prevê pressão pela frente, mesmo considerando uma evolução da equipe. O empate por 1 a 1 com o Figueirense, na noite desta quinta-feira, no Morumbi, terminou em vaias e com poucas palavras dos jogadores na saída de campo. O atacante, que voltou a desperdiçar uma grande oportunidade de marcar no segundo tempo (veja no vídeo acima), atribuiu o resultado à noite infeliz do ataque rubro-negro e à grande atuação do goleiro Tiago Volpi, que fez três grandes defesas na partida.

- O goleiro deles estava numa noite feliz, e nosso ataque, não. Mas está tranquilo, não jogamos mal, jogamos bem, e agora é aguentar a pressão - resumiu o camisa 26, que também perdeu uma chance incrível na rodada anterior contra o Santos, também no Morumbi.

Léo Moura foi outro a destacar o goleiro adversário e as várias oportunidades criadas pela equipe: foram oito chances claras de gol. Mas o lateral-direito tentou enxergar um lado positivo em meio ao jejum de vitórias do Rubro-Negro.

- Foi ataque contra defesa. O goleiro também salvou o time deles. É continuar trabalhando. Se for dessa forma competitiva como foi hoje, as coisas vão melhorar.

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.