PM limita organizadas de Botafogo e Flamengo no Nilton Santos e monitora desobedientes

PM limita organizadas de Botafogo e Flamengo no Nilton Santos e monitora desobedientes

O reencontro entre Flamengo e Botafogo neste sábado no Nilton Santos, estádio onde um torcedor morreu ano passado, será um ensaio da nova ordem para as torcidas organizadas no Rio. Elas serão limitadas aos setores atrás dos gols. Flamengo no Sul, Botafogo no Norte. Cada lado com as facções misturadas.

A determinação do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios foi atendida pelos alvinegros, mas duas organizadas do Flamengo disseram que vão ficar no setor Leste. A Urubuzada e a Raça. A Nação 12 recuou. Segundo o comandante do Gepe, Major Silvio Luis, os torcedores serão retirados se estiverem com material, instrumentos e bandeiras.

- Elas terão que ocupar os setores atrás dos gols. Leste e Oeste não é liberado para levar material. Se quiser comprar ingresso, pode comprar, mas não pode levar nada. Já foi conversado com as torcidas, qualquer problema vamos atuar - avisa.

As torcidas do Botafogo, até agora, indicaram colaborar. E vão, inclusive, se unir em uma só faixa no setor Norte. A única ausente é a Fúria Jovem, afastada do estádio. A mesma púnição da Jovem do Flamengo.

O comandante do Gepe reforçou que não se trata de um confinamento. Mas um preparo sobre as medidas aprovadas no começo do ano na Federação de Futebol do Rio, que preveem em breve cadastro de torcedores.

— Não tem que ter setor separado, elas torcem para o mesmo time.Não é um confinamento. Estamos demarcando um setor do estádio para eles ficarem — explicou o major Silvio Luiz.

Clima menos hostil com jogo meioa a meio, mas ameaças

O fato de o clássico ser com torcida dividida meio a meio pode ajudar na segurança, segundo a Polícia Militar. Com o bom diálogo entre Flamengo e Botafogo, mesmo após a comemoração polêmica de Vinicius Junior, o comandante do Gepe acredita que haverá menos violência.

— A divisão 90/10 foi exceção ruim, traz animosidade. Como os clubes tem se entendido melhor, acredito que seja mais tranquilo para as torcidas — avaliou o major Silvio Luiz .

Mesmo assim, o Gepe fará escolta em ponto de concentração, ponto de confronto e já monitora ameaças de torcidas nas redes sociais. O Gepe projeta que a fiscalização ficará maior com o cadastramento das torcidas finalizado junto ao órgão.

— Não deixa de ser um ensaio, a questão do setor específico ainda vai ter cobrança de carteirinha, ingresso identificado, cadastros pela organizada. Isso é mais pra frente. Amanhã é mais para replicar o que faz no Maracanã.

Protesto gera punição à organizada pacífica

Por causa de uma faixa que reivindicava melhorias no plano de sócio-torcedor, o Movimento Nação 12, organizada do Flamengo com fama de pacífica, foi punido pelo Grupamento Especial de Policiamento em Estádios e pelo Ministério Público em 60 dias sem poder entrar nos estádios com faixas, bandeiras e instrumentos.

A torcida usou as redes sociais para lamentar e fazer um novo protesto. O Flamengo não se manifestou. O Gepe informou que a punição se deveu a entrada do material sem pedido de autorização. E que a faixa poderia gerar confusão entre torcedores.

Para hoje, o Gepe fará a operação com um efetivo de 180 policiais militares. Esse grupamento é responsável pela segurança interna do estádio e pela escolta de torcidas organizadas, delegações dos clubes e arbitragem. Para o entorno do Engenhão, segundo a PM, serão destacados efetivos do 3º BPM (Méier), do Regimento de Cavalaria e do Batalhão de Cães.