Presidente de equipe da Colômbia sonha com Rueda, técnico do Flamengo

Presidente de equipe da Colômbia sonha com Rueda, técnico do Flamengo

Juan Fernando Mejía, presidente do Deportivo Cali, da Colômbia, declarou o interesse em contar com o técnico Reinaldo Rueda, do Flamengo. Em entrevista ao jornalista Carlos Arturo Arango a respeito da nova comissão técnica da equipe ‘Azucarero’ o mandatário confessou que sonha com a chegada do experiente comandante, mas admite a dificuldade.

- No que diz respeito a Reinaldo Rueda, hoje é um pouco complicado, sonhamos com ele aqui, mas sabemos que é difícil. Queremos trazê-lo em algum momento, hoje, daqui 6 meses ou em um ano, vamos trazê-lo – disse Mejía.

No Flamengo, a situação de Rueda é a seguinte: tem contrato até o fim de 2018, e já foi sondado por seleções sul-americanas para depois da Copa do Mundo da Rússia. A diretoria rubro-negra não tem a intenção de perder seu técnico e a troca só seria motivada por eventual tragédia nos resultados de fim de ano, como a não classificação para a Libertadores.

O Deportivo Cali é comandado por Sergio ‘Checho’ Angulo de forma interina até a chegada de um novo profissional.

Rueda e elenco não do Fla se entendem

As recorrentes críticas do técnico Reinaldo Rueda aos jogadores do Flamengo depois de derrotas como a de quinta-feira, para o Coritiba, estremeceram de vez a relação do colombiano com o grupo de trabalho. A irritação dos atletas já não é de hoje e tem origem também nas atividades de campo durante treinos e jogos. Após três meses no clube, o contato do treinador com o elenco ainda é frio, e a troca de informações que acontecia com Zé Ricardo não é a mesma.

O trabalho dos auxiliares Bernardo Redin e Carlos Velazco também é considerado aquém do realizado pela comissão permanente do clube anteriormente e a queixa dos atletas também passa por ai. Sobre Rueda, a crítica é que no processo de adaptação o treinador experiente deixa de lado o que é produzido pelo setor de análise de desempenho para se basear apenas nas suas convicções.

Os jogadores, portanto, ficam sem as informações com que estavam acostumados. E as caras feias aumentaram porque é colocada apenas sobre o elenco a responsabilidade pela queda de desempenho na reta final da temporada, com discurso de cobrança externo e sem destacar o trabalho nas horas das derrotas. As queixas dos atletas dão conta ainda de que nos treinos há pouca variação tática, poucas observações de Rueda, com atividades repetitivas.

Diego abafa o caso

O meia Diego descartou problemas entre o elenco do Flamengo e o técnico Reinaldo Rueda. Depois da vitória sobre o Corinthians no domingo, as atenções estão voltadas para a semifinal da Sul-Americana, quinta-feira, contra o Junior Barranquilla, no Maracanã. E qualquer dificuldade de absorver a filosofia ficará de lado em troca da vontade de voltar a disputar um título. Nesta terça-feira, o camisa 10 do Flamengo na competição tratou de falar com tranqüilidade sobre a adaptação da comissão técnica colombiana, alvo de críticas internas.

-Nós estamos satisfeitos com o trabalho dele. Ele também. Existe um período de adaptação, que deve ser encurtado. Precisamos também de resultados imediatos. Não vejo problemas de comunicação, entendimento, forma de trabalhar, filosofia. O trabalho segue e a vontade do clube e dele é continuar, e de nós jogadores também - afirmou Diego, de volta á liderança do elenco rubro-negro.