| Futebol

Programa Sócio Torcedor

Ainda a despedida de Léo Moura

As vésperas de completar dois anos de seu lançamento, vemos uma infinidade de questionamentos ao Projeto ST do Flamengo, hoje temos cerca de 54 000 associados, um número infimo diante da imensidão de nossa Nação Rubro-Negra. Quando da conquista da Copa do Brasil em novembro de 2013, com a consequente classificação para a Libertadores, chegamos a um número bem mais representativo, depois da desclassificação no torneio continental desabamos, o início desastroso do brasileirão 2014 também ajudou nesta vertiginosa queda. Nossos torcedores ficam desapontados, comparam nossa estagnação com os avanços dos projetos dos "porcos" e dos "gambas", hoje em grande expansão, todavia com preços bem mais em conta. Nosso Projeto de Socio Torcedor foi elaborado pelo VP de Marketing Luiz Eduardo Baptista o Bap, que pediu demissão do cargo, quanto questionado este nunca admitiu que o projeto poderia ter falhas e ser melhorado, do alto de suas convicções autoritárias não aceitava  sugestões de melhoria do projeto. Com a sua saída, o clube poderá ficar mais a vontade para dar uma nova roupagem a este importante meio de arrecadação de fundos. Uma infinidade de sugestões poderão agilizar e dar mais liquidez ao ST . Também ficamos vulneráveis pela falta de um estádio próprio, a questão de um time vencedor no campo  será sempre de grande valia. Temos que observar uma melhor condição  do projeto para os Offs Rio, com preços mais em conta. Uma gama de idéias poderão surgir  para  efetivamente dar um maior dinamismo a este hoje ainda questionável empreendimento. Com a palavra o Presidente Eduardo Bandeira de Mello e seus pares de diretoria, a nosso ver urge uma reforma neste Projeto Socio Torcedor...Ainda não foi anunciado o nome do novo VP de Marketing, alguns nomes foram ventilados, porém de efetivo nada ainda.

Obs: Preço menor dos porcos R$ 9,99, dos gambás R$ 15,99  e do Flamengo R$ 29,99.

 

 

Ainda a despedida de Léo Moura

Foi embora o Léo Moura, jogador controverso, adorado por muitos e até achincalhado por outros. Por dez anos ocupou a lateral direita   do Flamengo. Quando de sua chegada ao rubro-negro, o Léo já houvera passado por uma infinidade de clubes sem se firmar em nenhum deles . Percebia-se qualidades nele, muita habilidade, uma chegada fácil a linha de fundo e ótima saída de bola. No Flamengo já aos 26 anos,  foi aonde conseguiu se firmar e fazer história positiva, não deixou de ter os seus altos e baixos também, daí as críticas as vezes exageradas  de muitos. Todavia, 516 jogos, 47 gols, 55 assistências, um título de Campeão Brasileiro, duas Copas do Brasil e cinco Cariocas falam por si só. Difícil nos dias de hoje um atleta ficar tanto tempo num clube, uma identificação, uma verdadeira legenda rubro-negra...se já estava sem condições de jogar em alto nível, hoje  pouco importa, o que fica é o legado, isso ninguém lhe tirará, nem o mais ferrenho de seus críticos....Obrigado Léo Moura.

Mesmo depois da magnífica coluna do amigo Marcelo Neves baseada na despedida do “moicano”, nos sentimos na obrigação de falar algo da trajetória deste GRANDE  ÍDOLO RUBRO-NEGRO.

 

Fla x Madureira : Mais um joguinho do campeonato patrocinado por Rubinhos , Euricos e cia. Mais um jogo sem grandes atrativos, com a  obrigação de vitória, na verdade a continuidade  da pré-temporada e uma forma do treinador Luxa entrosar o time, também um apronto para o jogo efetivamente escamado, que será a nossa estréia na Copa do Brasil contra o Brasil lá de Pelotas.

 

O SAGRADO GOL DO PEIXE FRITO!!!
 
Corria o ano de 1985, extamente no dia 12 de dezembro. Um Fla x Flu numa quarta-feira a  noite no então gigante do Maracanã, 95 049 pagantes, mais de 70 mil rubro-negros pagantes no estádio, fora os penetras de sempre. Para o Flamengo somente a vitória interessava, um empate implicaria em uma série de injunções, dependeria-se  de outros resultados. Começa o jogo e o Flamengo toma a iníciativa de atacar, a torcida se inflama e encendeia o maraca. Neste primeiro tempo criamos algumas  oportunidades, que esbarraram em defesas do goleiro P.Vitor. Num conta ataque porém, Washington abre o placar aos 38 minutos para as fugitivas de séries subalternas de nosso futebol. No segundo tempo o Flamengo alugou o meio campo, os tricoletes acuados nem simples posse de bola conseguiam, só dava Flamengo, apelaram pra cera, encebaram o jogo, mas a Nação continuava a acreditar, e tome incentivo.O tempo todavia ia passando, e um teimoso 1 x 0 contra continuava no placar. No campo o time não se entregava, já chegando ao final, um cruzamento na área tricolete, há uma rebatida para a frente da meia lua, lá vem na corrida o grande Leandro, que de primeira acerta um pelotaço no angulo de P.Vitor, este ainda consegue tocar de leve na bola, porém esta caí no fundo de suas rêdes.........loucura no maraca !!! Uma comoção tomou conta de todos nós rubro-negros, gente chorando, delirando  de alegria, senhoras distintas, senhores, jovens, crianças todos indistintamente demonstrando seu contentamento. ‘Foi o gol em que estivemos presente, de maior comoção, simplesmente indescritível, nem nas maiores conquista vimos nada parecido’.....O SAGRADO GOL DO PEIXE FRITO...!!!  Nesta partida  atuamos com Cantarelli, Jorginho, Leandro, Mozer e Adalberto, Andrade, Adílio, Valtinho depois Gilmar Popoca, Bebeto, Chiquinho, Marquinho depois J.César Barbosa..Dias depois, este campeonato carioca foi decidido entre os Flores e o Bangu, jogo 3 x 2 para os tricoletes, o empate dava Bangu, aos 46 do segundo tempo o atacante C.Adão é calçado na área, pênalti claro e indiscutível, porém o árbitro José Roberto Writh não o apita, alega que apitara antes da jogada, e que o jogo já havia sido encerrado.COISAS DAS CONQUISTAS TRICOLETES, ATÉ HOJE NÃO MUDOU NADA. 

SRN


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.