| Futebol

Quem não acredita? Galo faz outro milagre, goleia Fla e é finalista

Com gols no fim do segundo tempo, Atlético-MG supera Flamengo e consegue o improvável 4 a 1. Baixinho Luan é novamente um gigante

  • luan matador

    artilheiro

    Pulmão do Galo nesta Copa do Brasil, Luan é o goleador do time na competição, com quatro gols. A exemplo do que fez contra o Timão, liderou o Atlético-MG, que encurralou o Flamengo.

  • calcanhar infeliz

    Eduardo

    Eduardo da Silva, pelo Brasileiro, contra o Figueira, desperdiçou chance com toque de calcanhar displicente. Nesta noite, novo passe dessa forma iniciou jogada do segundo gol rival.

  • estrelado

    Marion

    Marion entrou em campo porque Maicosuel pediu para sair e teve participação decisiva nos últimos gols do Galo. Ajeitou de peito para Dátolo e cruzou bola que resultou no da classificação, de Luan.

A massa entrou no Mineirão gritando "eu acredito", e o mantra da Libertadores 2013 mais uma vez foi respeitado pelos Deuses do Futebol. A exemplo do ocorrido nas quartas de final contra o Corinthians, o Galo saiu perdendo por 1 a 0, mas conseguiu a improvável virada por 4 a 1 e chegou pela primeira vez a uma final de Copa do Brasil. Carlos, Maicosuel, Dátolo e Luan, a alma do Atlético-MG, um baixinho gigante, fizeram o milagre possível. Victor, nos acréscimos, justificou mais uma vez a fama de santo. Everton descontou. Após passar por talvez seu segundo maior rival, o time de Levir Culpi decidirá a competição com seu arquirrival, o Cruzeiro, que eliminou o Santos na Vila Belmiro.

As finais estão marcadas para os próximos dias 12 e 26 e provavelmente serão disputadas no Mineirão.

Luan gol Atlético-MG (Foto: Cristiane Mattos / Futura Press)Luan comemora o gol do Galo: baixinho foi um gigante em campo (Foto: Cristiane Mattos / Futura Press)

Fla aproveita rara chance em tempo de domínio atleticano

Atlético-MG e Flamengo justificaram todas as expectativas colocadas sobre seus ombros. O primeiro tempo foi eletrizante, e o Galo, obrigado a tentar vitória elástica, partiu para cima. Terminou os 45 minutos iniciais com 63% de posse de bola, sete finalizações contra duas de seu adversário e um 6 a 0 em números de escanteios. Com 10 minutos jogados, um lance de perigo para cada lado e uma polêmica. Aos cinco, Carlos caiu dentro da área após ser tocado por Léo. O comentarista de arbitragem da TV Globo, Arnaldo Cezar Coelho, considerou a jogada normal. Aos nove, Dátolo cobrou escanteio, Léo Silva cabeceou como manda o figurino, e seu xará, o Léo flamenguista, salvou. Na mesma volta do ponteiro, Everton puxou contra-ataque e deixou Eduardo da Silva livre para marcar. O croata demorou demais e acabou travado por Marcos Rocha. Ufa!

O Galo seguia melhor e, comandado por Luan e Tardelli, levava pânico aos flamenguistas constantemente. Aos 31, o primeiro fez ótima jogada pela direita e cruzou para o centroavante da Seleção dominar bonito e tirar Wallace e Léo do lance antes de carimbar a trave direita de Paulo Victor. Todavia, o menos esperado ocorreu aos 34: Everton, num lance de sorte e persistência, livrou-se de Josué, Dátolo e Leonardo Silva e soltou uma bomba cruzada para abrir o placar.

A justiça no Mineirão foi feita aos 41: Douglas Santos, com muito espaço pela esquerda de ataque alvinegra, alçou na área, e Carlos ganhou de Chicão e igualou. Que primeiro tempo!

Cáceres e Carlos Flamengo x Atlético-MG (Foto: João Godinho / Ag. Estado)Carlos comemora, e Cáceres, lamenta: noite foi de festa atleticana (Foto: João Godinho / Ag. Estado)

 

"Eu acredito" vence novamente

O Galo voltou do intervalo tão elétrico quanto no primeiro tempo. Antes do primeiro minuto, duas bolas já haviam sido lançadas na área rubro-negra, e Paulo Victor errou nas duas. Aos dois, Tardelli chutou sem perigo, e Carlos, na entrada da pequena área, quase virou. A resposta flamenguista veio em chute de Canteros, que passou muito perto da trave direita de Victor.

Eduardo da Silva, mal demais no primeiro tempo, encerrou sua participação no jogo com displicência que poderia ter custado a vaga ao Flamengo - e acabou ajudando. Tentou ligar o contra-ataque com passe de calcanhar no campo de defesa. Leonardo Silva recuperou e adiantou a Luan, que limpou Chicão e Cáceres. João Paulo chegou para travá-lo, mas o desvio não foi feliz, e a bola sobrou para Maicosuel bater no contrapé de Paulo Victor: 2 a 1. Eram jogados 12 minutos da etapa final. Após o lance que redundou em gol, Eduardo deu lugar a Luiz Antonio antes mesmo de o Fla dar a saída.

O tempo foi passando, e os técnicos, mexendo. Luxa colocou Elton no lugar de Nixon, e posteriomente Everton deu lugar a Mattheus, que pouco agregou ao time. Já Levir foi cirúrgico ao colocar Marion no lugar de Maicosuel, que havia pedido para sair.

Marion participou dos dois gols que deram ao Galo mais um milagre para seu currículo. Aos 36, ajeitou de peito para Dátolo marcar um golaço. Três minutos depois, cruzou na área, a bola carambolou e sobrou para Luan, grande figura atleticana em campo, colocar na rede: 4 a 1. Uma virada para ficar na história. Mais uma.

Aos 46 minutos, o santo milagreiro da Libertadores Victor entrou em ação. Fez defesaça em bomba de Canteros. No escanteio seguinte, outra grande intervenção. Apito final, festa dos atleticanos no Mineirão e em todo o Brasil. O sonho segue vivo, e a fé da torcida, cada vez mais inabalável.

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.