| Futebol

Rollins é o 30° atleta americano a jogar pelo FlaBasquete

Confira o histórico de atletas norte-americanos que já passaram pelo Orgulho da Nação

A fama do basquete rubro-negro não é restrita ao solo nacional. Atual tetracampeão do Novo Basquete Brasil, campeão da Liga das Américas (2014) e campeão Intercontinental (2014), a equipe do FlaBasquete atrai olhares de pessoas de todo o mundo, inclusive de jogadores estrangeiros. Desde 1965 até os dias de hoje, 30 jogadores americanos já passaram pela Gávea e defenderam as cores do Rubro-Negro nas quadras. Hakeem Rollins, último reforço do técnico José Neto para temporada de 2016/2017, é o trigésimo jogador de seu país a vestir o Manto Sagrado, completando uma longa lista de atletas norte-americanos que já jogaram pelo FlaBasquete.

No momento, o Orgulho da Nação conta com dois jogadores americanos: Rollins, recém-chegado ao time, e Ronald Ramon, que é natural da República Dominicana, porém também carrega a nacionalidade americana. O pivô, que está jogando com a camisa 2, se diz honrado em fazer parte da história do Mais Querido e ficou impressionado com o histórico de compatriotas no FlaBasquete.

"Eu não tinha ideia de que Americanos tinham jogado basquete profissional no Flamengo por tanto tempo. Isso, para mim, é muito impressionante e mostra o quanto de história esse clube tem. Para mim, é realmente um privilégio fazer parte desse grupo", disse Hakeem.

A primeira equipe rubro-negra de basquete a receber um jogador americano foi a do ano de 1965, treinada pelo legendário Togo Renan Soares, o Kanela. A equipe daquele ano contava com dois atletas americanos: o camisa 9, Jim Lee, e o camisa 11.

De 1996 aos anos 2000, em um curto período de quatro anos, o ginásio Hélio Mauricio viu passar 11 americanos em sua quadra, seis apenas em 1998. Naquele ano, a equipe adulta foi Campeã Carioca em cima do Vasco da Gama e encerrou sua participação no Campeonato Nacional nas quartas de finais.

Já nas últimas seis temporadas do Novo Basquete Brasil, o Orgulho da Nação sempre contou com pelo menos um americano integrando sua equipe. No NBB 8, temporada em que o Rubro-Negro conquistou o tetracampeonato, eram três os atletas dos Estados Unidos em quadra: Jerome Meyinsse, Jason Robinson e Ronald Ramon. Jerome, por exemplo, jogou três temporadas com o Manto Sagrado, fez parte da geração "campeã de tudo" e, no final de 2016, recebeu do Clube da Gávea o título de sócio honorário.

Você pode conferir abaixo uma lista com 29 americanos que já jogaram pelo FlaBasquete ao longo dos últimos 52 anos. Segundo apuração do Departamento de Patrimônio Histórico do Flamengo, o 30º não foi identificado, mas jogava com o Manto número 11, em 1965, ao lado de Jim Lee.

Hakeem Rollins – atual
Ronald Ramon – atual
Jason Robinson – 2015/2016
Jerome Meyinsse – 2013-2016
Derrick Caracter – 2014
Kojo – 2012/2013
David Jackson – 2011/2012
David Teague – 2010/2011
Christopher Hayes – 2011/2012
Kyle Lamonte – 2010
Adrian Henning – 2006
Marc Brown – 2004/2005
Robyn Davis – 2000/2001
Marlon Anderson – 1999
Kendrick Warren - 1998
Brent Merritt – 1998
Steve Worthy – 1998
Kenny Payne – 1998
Alvin Heggs  – 1998
Alvin Frederick – 1997-1998
Ken Redfield – 1997
Askia Jones – 1997
Leon Jones – 1996
Rocky Smith – 1990
Morgan Taylor - 1989
John Flowers - 1988
Thompson – 1977
Charles Bush – 1973
Jim Lee – 1965

O próximo desafio do Orgulho da Nação é nesta quinta-feira (2), contra a equipe do Pinheiros, na casa do adversário, na capital paulista. Hakeem entrará em quadra pela terceira vez na temporada, defendendo o Rubro-Negro na busca pelo sexto título, quinto consecutivo, na competição nacional.

A equipe de basquete adulto do Clube de Regatas do Flamengo conta com aporte direto de recursos de seu patrocinador Estácio além de investimentos da Tim  via Lei Estadual de Incentivo ao Esporte/Secretaria de Estado de Esportes, Lazer e Juventude (ICMS).

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/24811/

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.