| Futebol

Salve "Cheiro"! Na várzea, Gabriel leva apelido em referência a grupo de axé

Cria da Cidade Baixa em Salvador, rubro-negro lembra trajetória tardia no futebol de rua. Amigos e avó contam causos nos &quot;babas&quot; do Laska, do Marisco e pela Ribeira<br>

flameng - Salve "Cheiro"! Na várzea, Gabriel leva apelido em referência a grupo de axé


Acredite. Nada foi combinado com seu Edmo Pachara, o administrador do campo do Laska – que, obviamente, não traz qualquer referência ao Polo Norte, mas ao ato ou efeito de “lascar” o pé no campo de terra da Ribeira. Era a última entrevista de série de quase 10 personagens encontrados nos bairros onde Gabriel, meia-atacante do Flamengo, cria dos babas (peladas ou simplesmente campo de várzea), começou a jogar futebol.

- Gabriel tinha apelido de “cheiro”. Por causa da banda “Cheiro de amor”. Era fã, sabia todas as músicas. Sabe até hoje -  contou, despretensiosamente, Edmo.

Dono do bar “Vá Tomar de Canhão”, Edmo nem se tocou que um certo outro cheiro já virou um mantra para a torcida rubro-negra. E a onda deve ficar fora, longe do oba-oba, como querem diretoria, técnicos e jogadores. Mas a coincidência do apelido de garoto de Gabriel é saudável. Ali, no Laska o amigo de outro apelido curioso, Desenho, o convidou para jogar no clube do ex-presidente do Bahia Marcelo Guimarães Filho, em história já conhecida. Com 19 anos, o jogador rubro-negro, titular no time que enfrenta o Vitória hoje no Barradão, já havia desistido do sonho de ser profissional.

- Fiz teste no Bahia de Feira de Santana e ia fazer no Vitória, mas no dia falaram que não tinha avaliação, voltei para casa. Tinha 19 anos já, para mim já não tinha mais (esperança) – lembra Gabriel, que já estava decidido a cursar faculdade.

Mas a chance apareceu e, hoje, sete anos depois, se não é unanimidade na torcida do Flamengo, é de sobra com os amigos do bairro Jardim Cruzeiro. A família ainda mora no bairro, que é vizinho da Ribeira e do Bonfim, onde fica a famosa igreja baiana. Na Avenida Almirante Barroso, em frente à casa onde Gabriel morou, um dos muitos campos de pelada que Gabriel não esquece e até hoje frequenta.

- No fim do ano passado ele veio de bicicleta para jogar aqui com a gente – conta Edmo.

A avó Maria José da Conceição Pinto recebeu o GloboEsporte.com dentro de casa para contar um pouco sobre o neto. Carinhoso, Gabriel pede a todo momento para a vó passar tempos na casa no Rio de Janeiro. Ela está na dúvida se vai ao Barradão nesta noite. O jogador do Flamengo não gosta muito de ver a avó nos estádios.

- “Não vá não, vó. É muita confusão, a senhora não vai gostar”. Mas se meu filho, que é pai dele, vier me buscar, eu vou sim. Quero ver Gabriel fazer um gol. Na semana ele fez e eu não vi, acabei dormindo antes do jogo – conta, aos risos, dona Maria.


"Não tem como ficar triste"

Laska, Uruguai, Marisco, Caíra, Cursa, Boa Viagem. São Caetano, Cobra. São os nomes dos campos e dos times, respectivamente, que Gabriel tão bem conhece – e de onde saiu também outros valores do futebol baiano, o mais recente é Walace, meia do Grêmio. Talvez pela carreira construída aos 45 minutos do segundo tempo, com a oportunidade de se transferir para um dos maiores times do Brasil, dono da maior torcida, o astral de Gabriel seja ainda mais para cima do que de costume. Mesmo nos tempos de reserva e de poucas chances em campo, as brincadeiras e o sorriso apareciam fácil, fácil com o jogador do Flamengo.

- Cara, sou bem-humorado, sou feliz. O cara estar num grande clube, realizando sonho de ser jogador de futebol, como é que o cara vai ficar triste? Não tem como – responde ele.

Um dos amigos de baba é hoje professor da escolinha Arca da Aliança. O professor Dito fala com prazer de Gabriel. Conta que o jogador sempre aparece com bolas novas, coletes e tenta ajudar no que for possível a formação de jovens jogadores. Dito conta ter 20 promessas nas categorias de base do Bahia, Vitória e outros clubes baianos. Não cobra e nem ganha nada com seu trabalho, que, segundo seus cálculos, em sete anos já recebeu mais de 500 crianças.

- Aqui, infelizmente, a gente sabe sempre que um garoto de 15, 16 anos, morreu, que está envolvida com coisa errada. Nos meus meninos aqui, não – relata, com orgulho, Dito.

Os pequenos Sarailton Campos da Silva Junior, de 12 anos, e Heitor Oliveira, 11, são uns dos alunos. Eles tinham a missão de levar a reportagem do GloboEsporte.com até o campo do Laska, o mais famoso da região. Mas no caminho encontraram um amigo, mais velho, que perguntou onde iam. Ao ouvir a resposta, ele disse:

- Nada disso, tem treino no Marisco agora. Oxê, vamos! – disse o garoto, que não devia ter mais que 15 anos, carregando os meninos para seguir os passos de Gabriel. O cheiro, no caso, da criançada, toda encostada no muro, é de ansiedade pela chance que aparece em um, dois, três, entre 300, 400 crianças.

- Quero dizer ao Gabriel que ele em destaque no nosso futebol é muito importante para a gente, é uma inspiração muito grande. Sou casado, tenho uma filha de 14 anos, vivo de aluguel, mas levo minha escolinha há sete anos para ajudar a gente como Gabriel. Por isso é muito importante vê-lo jogar hoje em dia – diz, com emoção, o professor Dito.


Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2016/09/salve-cheiro-na-varzea-gabriel-leva-apelido-em-referencia-grupo-de-axe.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.