"Futebol é esporte, futebol é pra ser jogado. E o senhor Felipe Melo, antes de ir embora do Brasil, eu não sei como é que terminou essa história, taí no Google, qualquer um pode procurar, ele foi acusado de esfaquear um cara aqui no Rio de Janeiro. Isso também contribui para a maneira como você enxerga o atleta. E aí?"

Além disso, disse que a presença do atleta no elenco Rubro-Negro geraria mal-estar unânime, pois não teria perfil para vestir a camisa do clube.

"O cara que fala o meu tipo de futebol é o que tem tapa na cara não é esse tipo de cara que eu quero ver no Flamengo. Imagine você se o Flamengo contratasse um jogador que na primeira entrevista coletiva dele dissesse que se for preciso dará sim tapa na cara de uruguaios com um jogo contra o Peñarol pela frente na Libertadores. Como você acha que o Lugano, que joga no São Paulo, que é arquirrival do Palmeiras lá vai enfrentar o Felipe Melo em campo? Isso para mim não é o tipo de Flamengo que eu quero."

Em seguida, Tabet ainda comenta sobre o DNA violento do meio campista de 33 anos e a falta de consideração para com os outros.

"Acho que o Felipe Melo deveria ter com os outros a mesma consideração que ele quer que tenham com ele. Ninguém lembra dessa história direito, mas quando ele reclama que as pessoas o tratam de uma certa maneira, disso ou daquilo etc, é porque esse comportamento dele de violência também não pensa na família dos colegas. Ele quando dá uma entrada dessa, quando pisa num cara em campo, ele pensa na família do jogador que vai ficar parado sei lá quantos meses, pode até encerrar a carreira numa entrada dessas?"

Por fim, o mandatário flamenguista explica sobre a não vinda do esportista à agremiação que a considera como de coração. 

"Ele diz assim: não sei de onde surgiu essa história de 1 milhão quando o Flamengo o procurou. Quando o Flamengo o procurou, eu não era vice-presidente de Comunicação do Flamengo ainda. Mas se ele não sabe de onde saiu essa história de 1 milhão, por que ele não diz o quanto ele pediu? Por que ele não diz: eu não pedi 1 milhão, pedi tanto? Ele poderia falar. Porque eu acho que esse tipo de coisa não surge assim do nada, é a impressão que eu tenho."

Sendo assim, é evidente que a entrevista repercutirá e a polêmica ganhará novos capítulos.