Desde os tempos de Paulo César Carpegiani, as jogadas coletivas pouco aparecem, e o time vem dependendo muito dos lampejos de Diego, Lucas Paquetá e Vinicius Junior. Nesta quarta-feira, diante do Santa Fe-COL, nenhum dos três teve uma boa atuação. O resultado disso: um festival de bolas alçadas na área, e com aproveitamento praticamente nulo. Na soma das três partidas realizadas até aqui, o Rubro-Negro concluiu apenas 18 vezes ao gol adversário. Em compensação, foram 64 bolas alçadas na área - 20 de forma correta.

Isso aponta para uma conclusão óbvia: o time demonstra sérios problemas de criação. As tabelas, por exemplo, inexistem. Ou seja, quando o brilho individual não aparece, a equipe não sabe o que fazer. E isso é um problema que ​Maurício Barbieri (ou quem assumir o seu lugar) terá que resolver rapidamente, sob pena de novos insucessos como o que aconteceu no Campeonato Carioca. Apesar de tudo, o Flamengo ainda lidera a sua chave no torneio continental, podendo apenas ser ultrapassado pelo River Plate-ARG na noite desta quinta-feira nos critérios de desempate.

​​