O primeiro confronto da final teve a intensidade esperada, mas esteve longe de ser um primor técnico. Especialmente na etapa inicial, as duas equipes tiveram dificuldades de encaixar o jogo. A primeira metade do tempo teve a Raposa um pouco melhor, enquanto o final teve uma leve superioridade rubro-negra.

Após o intervalo, a situação mudou um pouco de figura. Com mais iniciativa, o Fla dominou amplamente as ações e, embora não tenha conseguido exercer uma pressão mais contundente, esteve mais perto de abrir o placar. A insistência flamenguista foi recompensada aos 30 minutos, quando Lucas Paquetá, em posição irregular, aproveitou uma confusão na área após um escanteio e colocou para dentro - no melhor estilo centroavante, diga-se de passagem.

A alegria rubro-negra, no entanto, durou cerca de 8 minutos. Justamente quando o Maraca mais pulsava e a torcida empurrava o time para o segundo gol, o goleiro Thiago acabou falhando. O jovem não segurou um chute fraco de Hudson e Arrascaeta, completamente livre, só teve o trabalho de empurrar para o gol no rebote. 

Depois do empate, já não havia tempo para muita coisa. Como não há o critério de gol qualificado na final, o resultado do Maracanã não muda nada para o duelo do Mineirão. Quem ganhar fatura o título - em caso de empate, a Copa do Brasil será decidida nos pênaltis. 

​​