Primeiro: o jogador quer atuar no futebol brasileiro, e isso é considerado um elemento fundamental. Segundo: ele aceitaria uma adequação salarial à realidade do clube, que cogita pagar cerca de R$ 600 mil por mês para contar com o atleta (atualmente, ele recebe entre R$ 900 mil e R$ 1 milhão). Terceiro: o Fla seria a vitrine ideal para o arqueiro atingir o desejo de defender a seleção brasileira na Copa do Mundo do ano que vem.

Até por um pedido do próprio técnico Tite, Diego Alves quer ficar "mais próximo" do comandante. Como a posição está em aberto, já que Alisson não é unanimidade, e nomes como Weverton caíram de rendimento, jogadores como Cássio e Vanderlei estão sendo observados com outros olhos. E, nesta leva, também entraria o famoso defensor de pênaltis, que vem treinando forte nas férias para não perder a forma física e entrar rapidamente em campo. Antes, um acordo era tratado como inviável. Agora, já não é bem assim. Só que tudo tem que ficar resolvido até o dia 20, quando se fecha a janela de transferências internacionais para o Brasil.