Todos sabem: o Fla quer ​Renato Portaluppi. Em função do alto salário recebido por ele no Grêmio, a direção já estabeleceu a estratégia na busca pelo profissional. A ideia é seduzi-lo com altas premiações em caso de conquistas. Mesmo assim, a ação dos dirigentes se dá de forma cautelosa, não querendo apressar as coisas.

Em sua entrevista coletiva após a vitória sobre o Monagas-VEN, pela Libertadores, o próprio treinador não fechou as portas para uma mudança de casa. Por isso, o próprio bastidor tricolor aguarda pela tão falada “resposta diferente” que Renato dará pós o jogo de domingo, contra o Brasil de Pelotas, quando o Grêmio deverá confirmar a conquista do título gaúcho. O empresário do treinador, Gauchinho, nega a existência de qualquer negociação. Já o presidente Romildo Bolzan Júnior diz que o fato está sendo requentado pela imprensa carioca, não havendo qualquer fato novo que o leve a buscar uma posição do treinador.

Inicialmente Carlos Noval, novo executivo de futebol rubeo-negro, estipulou o final de semana como limite para anunciar o novo comandante. Se houver qualquer possibilidade de convencer Renato, este prazo automaticamente fica aumentado. Ou seja, é mistério para tudo quanto é lado.

​​