"O presidente me procurou. Conheço bem o Adriano, trabalhamos juntos no Flamengo, fui vê-lo quando ele acertou com o Atlético-PR. É claro que as portas do departamento médico do clube estão abertas (...) Por ser um ex-jogador e um ídolo do Flamengo, ele tem as portas abertas para o ajudarmos dentro das nossas possibilidades e da nossa viabilidade. Se ele nos procurar, vamos oferecer o máximo o possível para que a gente o ajude como pessoa e atleta", disse Tannure, em entrevista ao ​globoesporte.com.

Na última semana, Bandeira de Mello se mostrou disposto a ajudar Adriano, mas evitou falar sobre o aproveitamento do jogador no elenco do Flamengo.

"Tem que ser tratado com carinho e com respeito, não "oba-oba". O Flamengo nunca vai fechar as portas para ele. O procurador dele já sabe que o departamento médico está à disposição. Estaremos sempre aqui para ajudar a pessoa, o ídolo. Mas nada "o Imperador voltou". Por ser nosso ídolo, tem que ser respeitado. Espero que daqui 10 ou 15 anos, o Adriano seja lembrado como ídolo, independente do que aconteça com ele agora", explicou o mandatário.