Por conta das suas boas atuações no setor, Jorge chegou até a jogar pela seleção brasileira pré-olímpica, mas ficou de fora da competição realizada no Rio de Janeiro. Ainda assim, seu desempenho não deve passar despercebido pelos olheiros do futebol europeu. O vice-presidente de finanças do Flamengo, Claudio Pracownik, despistou sobre uma possível venda do jogador na próxima janela:

"Não estamos contando com isso (Jorge), mas mercado está aí. O dia que aparecer (proposta), analisamos. Não estamos contando com venda de nenhuma das nossas joias. Previsão genérica (de vendas) que fizemos é bem modesta, como tem todo ano, mas existe preocupação de comissão técnica, de dirigentes, de todos, de que o Flamengo tem que ser participante mais ativo e efetivo no mercado de transação do futebol. É fundamental para o clube a longo prazo. Hoje temos receita muito pequena de vendas. Isso tem que ser mais equilibrado, hoje está desequilibrado", comentou em entrevista ao site ​GloboEsporte.

Em 2016, o clube até superou a previsão inicial de R$ 10 milhões nesse sentido, mas nenhuma das transferências foi de algum jovem que surgira nas divisões de base. As vendas do zagueiro Wallace (R$ 3,2 milhões) e Kayke (cerca de R$ 7 milhões) fizeram com que tais números fossem alcançados. No que diz respeito a Jorge, com apenas 20 anos e muito futuro pela frente na carreira, a expectativa, segundo o site, é de que, se chegar oferta no valor desejado pelo Rubro-Negro – valores de € 8 milhões (R$ 28 milhões) a € 10 milhões (R$ 35 milhões) – a venda de uma das maiores revelações do clube nos últimos anos será opção viável.