Vice-presidente da Portuguesa espera que Fla cumpra contrato de uso da Ilha

Vice-presidente da Portuguesa espera que Fla cumpra contrato de uso da Ilha

O Flamengo empatou com a Ponte Preta em 0 a 0 e se classificou para as quartas de final da Copa do Brasil. No entanto, um outro assunto vem movimentando os bastidores pela Gávea. Os dirigentes rubro-negros acertaram um contrato de quatro anos com o Maracanã, ficando à mercê apenas da aprovação do Conselho Deliberativo para que o vínculo entre em vigor (clique aqui para mais detalhes). Inclusive, o presidente do CODE, Rodrigo Dunshee, recebeu o documento e a votação deve acontecer ainda neste mês de maio (clique aqui para mais detalhes). Devido a isso, abriu a possibilidade do Fla levar a estrutura da Ilha do Urubu para a Gávea (clique aqui para mais detalhes), e quem falou sobre o assunto fora o vice-presidente geral e de futebol da Portuguesa, Marcelo Barros.

Em entrevista para o jornal Extra, o vice-presidente expôs o desejo da Lusa em cumprir o contrato, que se encerra em dezembro de 2019, e reiterou a vontade em continuar com o vínculo. O mandatário disse também que a pretensão dos dirigentes do clube da Ilha do Governador é que o Mais Querido fique no estádio por bastante tempo. Marcelo afirmou que não foi procurado para romper o acordo.

— A gente tem contrato com o Flamengo e quer cumprir o contrato. A Portuguesa não tem nenhum interesse em ver o Flamengo fora daqui. Pelo contrário, quer o Flamengo aqui durante bastante tempo. O contrato é até o fim do ano que vem, não chegou nada pra gente. Tudo corre normalmente —, disse o vice-presidente da Lusinha ao Extra.

O Rubro-Negro investiu cerca de R$ 12 milhões para poder atuar na Ilha do Urubu e paga um aluguel de 200 mil mensal, o que representa quase a folha salarial dos Lusitanos, segundo o jornal. Caso haja o rompimento do contrato, o planejamento da Portuguesa pode ficar prejudicado para o restante desta temporada e também para a próxima.

A diretoria do Flamengo não comenta sobre o fato, mas o que se sabe é que ainda não há definição se o acordo será rompido ou não. Enquanto isso, o estádio está sem utilização, devido a queda de duas torres de iluminação no começo deste ano. Os laudos do incidente foram emitidos e a previsão é de que a reabertura ocorra em agosto. Nesse período, os mandatários do Urubu devem decidir o que fazer sobre o caso e se optarem por levar a estrutura da Ilha para a Gávea, a Portuguesa irá receber uma multa.