| Futebol

Vice-presidente do Fla-Gávea fala sobre evolução na gestão do Flamengo

Em entrevista à rádio do Rio de Janeiro, Rafael Strauch falou sobre mudanças na governança corporativa rubro-negra

O vice-presidente do Fla-Gávea, Rafael Strauch, falou na última terça-feira (18.11.14), em uma rádio carioca, sobre o momento de reconstrução que o clube vive. O dirigente comentou diversos assuntos e destacou a evolução da gestão, que tem o objetivo de tornar a instituição mais sólida dentro e fora de campo. Você pode participar deste processo. Clique aqui e seja sócio-torcedor.

Confira as declarações mais importantes da entrevista:

O começo

Trouxemos uma consultoria para nos dizer quanto o Flamengo devia. E o que descobrimos? Que o Flamengo, em janeiro de 2013, devia R$750 milhões. Uma série de dívidas abertas, inclusive da própria Timemania, com risco de exclusão. Negociamos para pagar tudo na medida do possível e fomos atrás de captar novas receitas: programa sócio-torcedor, jogos para fora do Rio, preço do ingresso... Enfim, criamos medidas para pagar os R$10 milhões que precisávamos pagar todo mês. O balanço do terceiro trimestre está no site, igual às empresas listadas em Bolsa. Temos uma área de transparência no site, é só abrir ali e ver. E é um balanço que o auditor abre e diz: não tem ressalva. Temos orgulho desses avanços institucionais.

Resultados no campo com responsabilidade na gestão
Ganhamos um título nacional em 2013, mais um para nossa história e do qual nos orgulhamos muito. Foi difícil, mas conseguimos. E não vamos fugir da austeridade e da responsabilidade fiscal, porque nos esforçamos arduamente pra implementar esta filosofia, e fomos eleitos pra isso.

Clube mais transparente do Brasil
Ganhamos da Pluri Consultoria um prêmio pela transparência e qualidade das informações prestadas. O Flamengo tem se esforçado muito para ser transparente. Achamos essencial que entendam o que estamos fazendo. O esforço que temos feito nessa área: gestão, melhora na qualidade de informações e temos aprimorado a publicação dessas informações.

Fla-Gávea
Uma série de avanços aconteceu, principalmente através de parcerias. Dividimos o Flamengo em três setores de negócios: futebol, esportes olímpicos e Fla-Gávea. Os esportes olímpicos se tornaram sustentáveis, devido aos impostos que pagamos e nos permitem nos inserir em leis de incentivo, mas o Fla-Gávea ainda é deficitário. As melhorias que conseguimos são por parcerias, especialmente dos esportes olímpicos. Logo, são por atletas e para atletas, mas é lógico que os sócios usufruem.

Nova piscina e reformas nos ginásios
Estamos indo às compras e vamos trazer a piscina mais moderna do mundo, a Myrtha, para a Gávea e acabamos de reformar os três ginásios da Sede Social. O ginásio Togo Renan Soares a gente acabou o vestiário, o Hélio Mauricio fizemos uma série de melhorias e vai ser inaugurado pelo vice-presidente da área, Alexandre Póvoa, que vai inclusive premiar os atletas de basquete no mês de dezembro.

E o ginásio Claudio Coutinho, que quando chegamos estava danificado por um incêndio, tivemos que reformar, trocar o teto e estamos esperando equipamentos, que só virão porque pudemos nos inscrever em leis de incentivo. Foi reinaugurado, mas ainda vai ser muito melhor.

Já enviamos para a análise do conselho deliberativo uma proposta de academia de ginástica de mais de mil metros quadrados. Está sob análise do Code e será um investimento fantástico. Teremos os equipamentos mais modernos de musculação para os sócios, por um valor irrisório. Um espaço só para sócios e atletas. A gente espera que os sócios que estejam lá, entendam e apoiem.

Parcerias e reconstrução da sede social
Temos uma série de acordos em andamento. Tivemos uma reforma graças à Adidas, que reformou parte do prédio para ser o receptivo na copa do mundo, uma parceria com o Comitê Olímpico Norte-americano, a parceria com a Holanda, e os ingleses (do Comitê Olímpico Britânico) estão reformando toda a academia do remo, que terá uma vista fantástica. Tem uma parceria excelente que o departamento de marketing viabilizou, que foi o Fla Experience.

Gostaria inclusive de agradecer à Futebol-Tour pelo projeto. Saí muito emocionado no dia da inauguração quando vi uma das taças que estão expostas. Quando chegamos aqui, ela ficava no chão. Agora está em um local próprio, adequado, e em destaque.

Preço dos ingressos e time competitivo
Estamos falando de outros dois departamentos que não estão sob meu comando: no caso do Alexandre Wrobel, que fala de futebol, e do Bap, vice-presidente de Marketing, no caso de ingressos. O Flamengo pratica o sétimo preço de bilhetes para jogos. O Cruzeiro está praticando mil reais, mas só falam do ingresso do Flamengo. O nosso preço é inferior ao do Botafogo, por exemplo. Goiás e Atlético-PR têm ingressos muito mais caros que os nossos. Além disso, o ingresso mais barato nos nossos jogos é o gratuito, tem essa questão da gratuidade que somos obrigados a respeitar. É ruim para todos os clubes do Rio de Janeiro. O governo define uma lei, cria uma gratuidade e não nos reembolsa por isso. O estádio para a gente faturar é menor do que é.

À medida em que o tempo for passando e as dívidas forem diminuindo, vamos ter mais recursos para investir no carro-chefe do clube, que é o futebol, principal gerador de recursos. E então poderemos trazer mais jogadores. Outras contratações já vieram este ano, como a do Canteros, a do Eduardo, e a gente ainda está na torcida para que o Wrobel possa anunciar novos nomes para temporada de 2015. Estamos trabalhando para isso, e na expectativa.

Plano diretor para a sede social: arena e estádio
O Flamengo fez uma pesquisa muito grande com os sócios, no ano passado, sobre o plano diretor envolvendo todo o espaço da Gávea, para entendermos o que o sócio quer para aquele espaço. A gente trouxe um grande escritório de arquitetura, que fez a reforma do Pinheiros Clube, e vamos apresentar no final desse ano um plano diretor, que contemple também o estádio da Gávea, ainda que seja um estádio pequeno. Essa pasta não responde só a mim. O Wallim (Vasconcellos, vice-presidente de Patrimônio) também está nessa empreitada. E além desse estádio, teremos também a Arena Mc Donald's para abrigar nosso basquete, que ficou sem ter onde jogar aqui no Rio de Janeiro. Estivemos no Iphan, na segunda-feira, eu, Rodrigo Tostes (vice presidente de Finanças), o presidente (Eduardo Bandeira de Mello) e o Wallim. Explicamos que está dentro do gabarito da Lagoa, com vinte metros de altura e respeita toda região e o espelho de água da Lagoa (Rodrigo de Freitas).

Estivemos com o arquiteto e estamos muito otimistas com a possibilidade de apoio do que governo. Precisamos desta Arena, que não tem similar na Zona Sul do Rio. Nosso basquete é campeão do mundo e não tem esse espaço. Vai ser uma Arena pequena, mas que poderá abrigar jogos de menor público.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/19940/vice-presidente-do-fla-gavea-fala-sobre-evolucao-na-gestao-do-flamengo

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.