– A gente ainda não tem essa certeza de quem vai jogar. Guerrero é um jogador de muita qualidade, referência no ataque do Flamengo. Jogador que se posiciona bem, um pouco mais centralizado, ele finaliza muito bem, protege bem a bola – analisou.

A gente sabe que tem outros jogadores ainda que podem ter características diferentes, de movimentação, de saída da área, porque o Guerrero é mais de presença na área. A gente tem essa consciência que outros jogadores podem movimentar bastante, sair da referência. Precisamos encaixar (a marcação) com essas características – completou Léo.

O zagueiro também acredita que o fato de ter jogado todo o torneio pode ajudar a Raposa - o Flamengo, por exemplo, entrou diretamente nas oitavas de final. Léo acredita que o Cruzeiro amadureceu durante a competição:

– Tem alguns fatores muito importantes, principalmente a maturidade da equipe em campo, a inteligência de jogar os dois jogos, jogar fora de casa e em casa. O espírito também foi algo de ressaltar. Espírito aguerrido de lutar, buscar. Jogamos contra equipes difíceis, jogadores de muita qualidade. Sempre bom ressaltar isso. O espírito, a dedicação de todo mundo, maturidade, experiência de jogar – concluiu. 

​​