O Flamengo voltou de Cuiabá com um ponto na bagagem. E apesar de muitos criticarem a atuação rubro-negra contra um Santos recheado de desfalques, o técnico Zé Ricardo aprovou o desempenho da equipe. Após a partida, o comandante fez questão de elogiar a postura de sua equipe.

– Era um clássico, conseguimos um ponto fora e chegamos à quinta partida sem derrota. Isso nos credencia a ficar no grupo de cima. O Flamengo tem força para lutar pelo G-4 e pela parte mais alta da tabela. Estou feliz pelo rendimento, e os atletas se doaram. Temos um jogo dificílimo contra o Atlético-PR, que vem motivado por ter vencido o Corinthians. Vamos procurar vencer e entrar de vez no G-4 – analisou

No entanto, o treinador admitiu que a saída de Marcelo Cirino prejudicou bastante a estratégia flamenguista para o confronto. Especialmente porque Fernandinho, seu substituto, teve uma atuação apagadíssima na Arena Pantanal.

A saída dele (Cirino) mudou o plano, e a gente vai para o jogo sempre com uma estratégia. Tentamos o Fernando ali, e ele é um jogador que vai melhor pela esquerda. Como o Everton estava bem pela esquerda, experimentamos o Fernando ali pra continuar agressivo em cima do Caju. Tem dia que o jogador tenta entrando fazer o seu melhor, mas não acontece - completou.

O comandante rubro-negro também preferiu fugir de polêmicas. Ao ser perguntado sobre o lance em que a bola pegou no braço de Caju, já nos instantes finais da partida, o técnico contemporizou:

Estava na área técnica, com muitos jogadores na minha frente. Todos pediram, mas eu não tinha uma visão muito clara. Não só pelo pênalti, mas pelo volume que o Flamengo teve, acabamos lamentando o empate. Não vi de forma clara o lance. Se eu falasse que vi, estaria mentindo. Só achei que a reação de todos os atletas de forma automática pode indicar alguma coisa. Quando tem um lance assim, tem alguma coisa – concluiu o treinador.