• BICAMPEÃO DA LIBERTADORES
  • OCTACAMPEÃO BRASILEIRO

DEIXEM O HOMEM TRABALHAR

Agora, quando há sinais de que as Garras das Redes Sociais contra o nosso treinador já foram aparadas, será que o nosso torcedor mais equilibrado é capaz de uma reflexão? Será que compreenderá a tentativa de se usar contra nós a ÚNICA arma realmente capaz de nos atingir?

Essa arma somos nós contra nós mesmos. Sim, A ÚNICA com capacidade de atingir, impedir nossa hegemonia e destruir o ÓTIMO ambiente que existe no nosso vestiário. É o que essa mídia PODRE faz, ao se aproveitar de alguns resultados não satisfatórios e sair divulgando que Fulano está insatisfeito com o banco, que Beltrano está pensando em sair, que o nosso treinador está balançando no cargo etc.

Esse tipo de notícia falsa, maliciosa, é que faz os torcedores mais ingênuos, que se permitem deixar influenciar por elas, usem as tais Redes Sociais para iniciar um ataque feroz contra Diretoria, Jogadores e, principalmente, o treinador, gerando insegurança e ameaçando o ambiente. Será TÃO difícil assim perceber as manobras escusas dessa raça (até tu, Eric Faria?)?

São os mesmos que passaram o segundo semestre de 2019 INTEIRO perturbando nossa tranquilidade, dizendo que o Mister não utilizava rodízio e que isso faria com que nossos jogadores não suportassem a sequência de jogos que teríamos pela frente. E agora, com um calendário INFINITAMENTE mais rigoroso, na maior Cara de Pau, questionam o treinador atual por fazer o tal rodízio que cobravam ano passado. Sinceramente, até para alguém com QI de retardado é fácil perceber a verdadeira intenção desse bando de Terroristas.

Bahia empata com Palmeiras:
- Bahia é um time arrumadinho, que vai dar muito trabalho para seus adversários.
Bahia empata com o Internacional:
- O empate foi o resultado mais justo, pois o Bahia jogou de igual para igual contra o líder do Campeonato em sua casa.
Flamengo enfia CINCO no Bahia:
- Esse time do Bahia é muito fraco e pareceu até desinteressado.

PORRA, VÃO A MERDA !!!

Nosso treinador já tem um início MELHOR do que o do Mister, com MUITO menos tempo para treinamentos. Ganhamos 14 dos últimos 18 pontos disputados, vencemos as três últimas partidas, encostamos nos líderes e nem assim o Dome consegue um pouco de paz, e confiança do nosso torcedor, pra trabalhar.

Para quem, ainda assim, questiona seus métodos, peço que leiam esse trecho da matéria do Jornalista André Rocha no UOL:
Está no livro "Guardiola Confidencial", nas palavras do preparador físico e recuperador de lesões Lorenzo Buenaventura, que até hoje trabalha com o técnico catalão: "Jogar uma partida a cada três dias influi demais no planejamento de preparação. No terceiro dia após o jogo, quando se alimentou bem, o jogador recuperou 80% do glicogênio dos músculos. Somente 80 por cento! Imagine se ele se alimentou mal ... E depois de quatro jogos consecutivos em ciclos de três dias, o risco de lesão aumenta 60%", explica Buenaventura.

Se nem os métodos utilizados no futebol mais rico do mundo, pelo melhor treinador do mundo, é capaz de convencê-los que estamos no caminho certo, eu me rendo, desisto, e passo a falar apenas do jogo de mais tarde.

Nosso time ainda não recuperou o mesmo ritmo do ano passado, é verdade. Continua desfalcado do seu (em minha opinião) principal jogador, também é verdade. Ainda não temos um batedor de faltas descente (o que considero de grande importância), novamente é verdade.

Mas, mesmo diante de todas essas verdades inegáveis, sinceramente, a distância na qualidade que separa os dois elencos é TÃO grande, que até ganhar de pouco desses caras eu considero um tanto decepcionante. Mesmo jogando em um gramado que mais parece um PASTO, o que prejudica MUITO a equipe mais técnica, a obrigação da vitória é nossa.

Eu sei, eu sei, que Fla-Flu é clássico, não tem favorito, tem histórico do mais fraco complicar o mais forte, que eles fizeram jogos duros conosco recentemente etc. Mas esses caras já estão merecendo um sacode faz tempo e estou achando que hoje é o dia. Meu placar é 4 a 1, e o seu?

PRA CIMA DELES, MENGÃO

Escrito por Ricardo Perez