Flamengo  RJ
menu
search

Clubes da Série B decidem liberar público em todas as partidas, e CBF se vê pressionada por retorno na primeira divisão

17 de setembro de 2021 às 16:54h
Clubes da Série B decidem liberar público em todas as partidas, e CBF se vê pressionada por retorno na primeira divisão

Na tarde desta sexta-feira (17), os clubes da Série B se reuniram, a fim de decidirem sobre o retorno de público na competição. Após longa discussão, as equipes determinaram que o time cujo estado tiver a liberação, poderá ter torcida no estádio. A decisão gerou fúria nas redes sociais, especialmente dos torcedores de instituições da primeira divisão. Dessa forma, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) está cada vez mais pressionada à ceder aos pedidos do Flamengo, por exemplo.

O grande argumento dos torcedores que já obtiveram a liberação é que, agora, será impossível manter o argumento da isonomia. Com a Série B liberada, e sem ligar para os clubes que não detém o direito de comercializar ingressos, a CBF tem um ‘pepino’ nas mãos. Para as equipes da Série A, apenas os cinco paulistas (São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Santos e Bragantino) e o Sport Recife não possuem a liberação para serem empurrados por seus respectivos adeptos.

Para decidir sobre o assunto, os clubes da Série A marcaram nova reunião junto a CBF, para o dia 28 de setembro. Nela, as equipes decidirão se manterão o argumento da isonomia com paulistas e pernambucanos, ou liberarão a torcida para aqueles que puderem. Vale destacar que o Flamengo deve participar do encontro, visto que teve a liminar concedida pela Prefeitura do Rio de Janeiro cassada no plenário do STJD. A decisão também foi bastante polêmica.

Por enquanto, as competições nacionais devem seguir sem torcida, pelo menos até o dia da reunião entre clubes e CBF. Dessa forma, o jogo entre Flamengo e Grêmio, válido pela 21ª rodada do Brasileirão, não contará com a Nação no Maracanã. O confronto acontecerá às 20h30 (horário de Brasília), deste domingo (19), e contará com transmissão do Coluna do Fla, no YouTube.

Publicado em colunadofla.com