• BICAMPEÃO DA LIBERTADORES
  • HEPTACAMPEÃO BRASILEIRO

Diretor da Globo revela conversas e demonstra otimismo por acerto com o Flamengo

O Flamengo continua negociando com o Grupo Globo pelos direitos de transmissão do Campeonato Carioca. Pelo menos é o que assegura Fernando Manuel Pinto, diretor de direitos esportivos da emissora, em entrevista ao portal Lance!. De acordo com o profissional, as partes têm conversado e buscado entrar em um consenso quanto ao imbróglio.

Falo com o clube (Flamengo) todos os dias, com todos os clubes… Não, estou brincando (risos). Há diálogo com o Flamengo, e é positivo. Até por ser um tema em discussão e em desenvolvimento, acho pouco produtivo, aqui, avaliar quanto a reuniões, se tem tido, se vai ter ou se não vai. Temos que aguardar os posicionamentos. A cotação do dia é: não tem acordo -, afirmou Fernando, antes de completar:

Se você não consegue colocar isso num único bolo, para ter a dinâmica do critério comum a todos, que é, para um ganhar mais, o outro vai ganhar menos, essa conta não fecha, e esse modelo pode se transformar inviável -, disse o executivo.

O Flamengo acredita que renovar pelas mesmas quantias de 2016 – ano em que assinou o último contrato com a Globo pelo Carioca -, é um erro. Por isso, o Rubro-Negro pede que seja valorizado comercialmente, até pelo fato do clube estar investindo pesado na montagem do elenco e desempenhar um futebol acima da média dos demais. Porém, Fernando acredita que não pode pagar mais a uma instituição do que às coirmãs, como Vasco, Botafogo e Fluminense – que têm acordo vigente com a emissora.

A questão é como se chega a esse valor maior (pedido pelo Fla). Quando um clube não está numa coletividade, a dificuldade que se tem é aplicar coisas básicas da dinâmica de uma negociação do gênero. Para um ganhar mais, outros têm que ganhar menos. Do contrário, você explode a conta e gera, de antemão, não a posteriori, uma diferenciação de valores entre clubes -, disse, antes de finalizar:

Nunca se desiste de um acordo. Tem que deixar, como eu disse, a porta aberta sempre, mas com muita responsabilidade, muito critério, sobre quais as possibilidades que temos sobre esse acordo. Não se administra um negócio como este sem padrão e sem ser muito responsável e atento aos critérios. E isso que temos feito neste momento -, encerrou.

Publicado em colunadofla.com.