Imbróglio judicial entre Dorival Júnior e Flamengo se arrasta e desfecho fica para 2019

Imbróglio judicial entre Dorival Júnior e Flamengo se arrasta e desfecho fica para 2019

Por: Venê Casagrande

O segundo mandato de Eduardo Bandeira de Mello está chegando ao fim no Flamengo. Porém, problemas gerados em administrações anteriores ainda seguem pendentes no clube da Gávea. Uma delas é a ação judicial de Dorival Júnior, aberta em 2013, por conta de vencimentos não pagos pelo Rubro-Negro durante a gestão de Patrícia Amorim, que antecedeu o mandato de Bandeira. Somando cinco anos sem definição, a tendência é que o caso ainda não seja resolvido em 2018. Isso porque, de acordo com apuração da reportagem do Coluna do Flamengo, o assunto só voltará a ser discutido após a eleição presidencial, que ocorrerá no próximo sábado (08).

É importante frisar que, apesar de ter retornado ao Flamengo em setembro deste ano, Dorival não chegou a ter sua pendência resolvida. Até fevereiro de 2017, o processo do treinador contra o clube foi julgado em três instâncias, sendo que todas acabaram sendo favoráveis a Dorival, que cobra cerca de R$ 11 milhões do Fla, entre salários atrasados, direitos de imagem, férias, FGTS e outros dividendos. Vale destacar que Giane Brusque, advogada de Dorival, mantém contato com o setor jurídico do Fla.

Deixando o problema jurídico em segundo plano, é possível que Dorival siga como técnico do Rubro-Negro em 2019. O nome do treinador passa longe de ser uma unanimidade. Entretanto, após a recusa de Renato Gaúcho – principal procurado para o posto – e a dificuldade para encontrar um novo profissional no mercado, o nome de Dorival ganhou força em parte da torcida, além de dividir opiniões na atual diretoria do Flamengo, que não sabe se seguirá no poder no próximo ano. A renovação, aliás, é um desejo do próprio técnico, que comandou o Flamengo nas 12 últimas partidas do ano, nas quais obteve 24 pontos no Brasileirão, com sete vitórias, três empates e duas derrotas.