Lomba justifica investimentos do Flamengo e afirma: “Não disse que não precisamos de laterais”

Lomba justifica investimentos do Flamengo e afirma: “Não disse que não precisamos de laterais”

Por: Higor Neves

Nesta quinta-feira (13), Ricardo Lomba, atual vice-presidente de futebol do Flamengo e candidato à presidência do clube, concedeu entrevista ao Blog Ser Flamengo, em parceria com o Coluna do Flamengo. Durante o bate-papo com Tulio Rodrigues, entrevistador na ocasião, um dos assuntos foi uma antiga declaração do cartola, que afirmou que o Fla não pretendia contratar laterais. Entretanto, em sua fala, Lomba garantiu que foi mal interpretado.

Eu discordo da sua interpretação (de que Barbieri decidiu sozinho). Eu acho que se a gente está falando de escalação e elenco, o protagonista é o treinador. O treinador que sabe o tipo de jogador que ele quer contar, que melhores se enquadram no esquema tático. Então o protagonista é o treinador sim. Mas nesse processo, obviamente, há outros personagens. O financeiro, por exempo, tem que opinar, para saber se há verba —, disse ele.

Em seguida, o dirigente apontou a limitação financeira da equipe, destacando perdas de atletas importantes para o elenco, como Vinicius Júnior, Paolo Guerrero e Felipe Vizeu. Segundo ele, o Fla precisava priorizar contratações para essas posições, com a ideia de manter o alto nível do primeiro semestre.

— Então, o que eu quero esclarecer é o seguinte: não estou falando que o Flamengo não precisa de laterais. O Flamengo precisa sempre dos melhores jogadores em todas as posições. Ocorre que o Flamengo tem um determinado orçamento para investir em seu futebol e tem que, em função dessa limitação, priorizar as suas contratações. Temos que lembrar que perdemos o Vinicius Júnior e precisava de alguém para aquela posição. Perdemos o Guerrero e Vizeu, precisamos de centroavante. Perdemos o Jonas também, ficaria só o Cuéllar de primeiro volante… Com isso, na janela do meio do ano, o treinador fez um levantamento do elenco, apontou as necessidades dele e as prioridades para a recomposição do elenco. A diretoria, em função de quanto dinheiro tinha para gastar, foi obedecendo a hierarquia dele.

CONFIRA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA: