Posicionamento em campo, calendário apertado e falta de tempo para treinar: os obstáculos para Vitinho engrenar no Flamengo

Posicionamento em campo, calendário apertado e falta de tempo para treinar: os obstáculos para Vitinho engrenar no Flamengo

Por: Venê Casagrande

O Flamengo investiu alto – cerca de 10 milhões de euros, algo em torno de 45 milhões de reais – para repatriar Vitinho. O atacante desembarcou no Rio de Janeiro, no fim de julho, com pompa de craque e encheu a torcida de esperança. Mas, até o momento, o jogador está longe daquele que os torcedores rubro-negros e a comissão técnica esperam. Motivo? O conhecido processo de adaptação que todo atleta que chega do exterior precisa passar. Mas alguns obstáculos maximizam essa dificuldade: calendário brasileiro apertado, posicionamento em campo e falta de tempo para fazer ajustes durante a semana.

Antes no CSKA, da Rússia, que começa a temporada no meio do ano, Vitinho está sofrendo para se acostumar com o calendário brasileiro. Desde que estreou pelo Flamengo, no dia 1º de agosto, o atacante disputou 13 jogos em menos de 45 dias. Nesse ínterim, o técnico Mauricio Barbieri teve pouco tempo para treinar e fazer ajustes na equipe da maneira que gostaria, o que deve acontecer nos próximos dias, quando a equipe rubro-negra folgará durante a semana.

Além do pouco tempo de treinamento, outro fator dificulta o processo de adaptação de Vitinho: o estilo de jogo. No CSKA, o atacante jogava em uma posição diferente do que vem atuando pelo Flamengo. O time russo utilizava dois esquemas táticos (3-4-3 ou 3-5-2), deixava o jogador com mais liberdade e, com isso, ele ocupava todos os espaços do campo. Já no Rubro-Negro, que atua no 4-1-4-1, o camisa 14 fica “engessado” na ponta esquerda e dificilmente sai da sua zona.

(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Para ilustrar a movimentação de Vitinho na época de CSKA, a reportagem consultou o site “Sofascore”. Na imagem abaixo, do mapa de calor do atacante no jogo pelo time russo contra o Arsenal Tula, fica evidente a liberdade em campo.

(Foto: Reprodução/SofaScore)

No Flamengo acontece ao contrário. No esquema utilizado por Barbieri, Vitinho pouco sai do lado esquerdo e fica “preso” no sistema utilizado pelo comandante rubro-negro. O mapa de calor abaixo é do último jogo do camisa 14, no empate em 0 a 0 com o Corinthians, pela Copa do Brasil, na última quarta-feira (12).

(Foto: Reprodução/SofaScore)

EXEMPLO DENTRO DO ELENCO:

A dificuldade de um jogador com alta capacidade técnica em se readaptar ao futebol brasileiro não é novidade no Flamengo. Everton Ribeiro é o exemplo mais recente. O camisa 7 chegou em 2017, vindo da Arábia, e demorou para demonstrar o futebol que todos esperam. Em alguns momentos, o meia perdeu espaço e, inclusive, ficou no banco de reservas. Na atual temporada, ele é um dos destaques do time rubro-negro e considerado titular absoluto no time de Mauricio Barbieri.

(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Enquanto sofria para reencontrar o bom futebol, Everton Ribeiro foi procurado por clubes brasileiros que pensavam na contratação do meia. O Flamengo, entretanto, ciente que o melhor do jogador ainda estava por vir, sequer abriu negociação e teve paciência com o atleta.

O mesmo, então, vai acontecer com Vitinho. Dentro do clube, todos têm noção que o jogador ainda não está rendendo o esperado, mas tanto diretoria quanto comissão técnica estão confiantes que o atacante vai evoluir neste fim de temporada e pode chegar “voando” na reta final do ano.