Um dia após o anúncio da demissão do técnico Renato Gaúcho, a torcida do Flamengo já se movimenta para mostrar à diretoria suas preferências para ocupar o cargo vago. Entre a segunda-feira e esta terça, torcedores organizaram um "twittaço" pedindo que o clube vá atrás de Andre Villas-Boas, técnico português de 44 anos que está livre no mercado.

Villas-Boas é conhecido mundialmente pela temporada de 2010/11 à frente do Porto, sua primeira chance em um grande clube na carreira. Naqueles que muitos torcedores do Dragão consideram os melhores 12 meses da história do clube, a equipe foi campeã portuguesa de forma invicta, venceu a Liga Europa e ainda faturou a Taça de Portugal. No elenco, estavam nomes como Guarín, James Rodríguez, Falcao Garcia (vice-artilheiro do Português) e Hulk, que viveu um dos melhores anos da carreira, terminando como artilheiro do campeonato.

Técnico de personalidade forte, direto no tratamento com jogadores e diretoria, além de ser adpeto de grande controle no dia a dia e nos negócios dos clubes que comanda, Villas-Boas se credenciou a duas experiências no futebol inglês logo após o sucesso em Portugal. Passou pelo Chelsea e pelo Tottenham, clubes em que teve aproveitamento próximo dos 50%, mas também em que não resistiu à pressão por resultados ruins em sequência.

Curiosamente, os dois clubes já foram treinados por seu "mestre", José Mourinho. Andre começou a carreira no departamento de olheiros do Porto ainda antes de completar 18 anos. Mais tarde, foi chamado por Mou, então técnico do clube, para ser um de seus auxiliares. A parceria perdurou no Chelsea e na Inter de Milão, quando Villas-Boas decidiu pela carreira solo como treinador, com apoio de Mourinho.

Fã de automobilismo — já correu e até se acidentou no Rally Dakar — e dono de uma excentricidade particular que lembra a de Mourinho, o técnico explicou, em entrevista recente, que está em seus últimos anos de carreira. Quer que o momento como treinador dure 15 anos.

— É difícil. Não faltam muitos anos para atingir os 15 em que quero ser treinador. Já cumpri 11. É difícil, principalmente porque estou ligado Porto e, em Portugal, só aceitaria treinar o Porto — disse ao portal "O Jogo"

Depois de passagem vitoriosa nacionalmente pelo Zenit, da Rússia, Villas-Boas se aventurou pelo futebol chinês e também no Olympique de Marselha, da França. No clube francês, sua última passagem profissional, pediu demissão em fevereiro após o clube contratar o meia francês Olivier Ntcham contra sua vontade. Desde então, chegou a ser alvo do São Paulo, que já havia o procurado em 2012. Na mesma entrevista ao "O Jogo", diz que recusou duas ofertas de clubes estrangeiros e espera o convite de uma seleção.

—Tenho a visão de abraçar uma seleção, mas não deixo à parte tudo o que possa acontecer a nível de clubes. Obviamente que, enquanto profissional, tenho de me manter aberto a tudo — disse.